Psicomotricidade |

27

dezembro

2013

Corpo em Movimento – Cérebro em Desenvolvimento

Categorias:

Dicas para um bom desenvolvimento da criança na escola

crianças brincando na escolaNa Educação Infantil (berçário, maternal e jardim) e séries iniciais do Ensino Fundamental é necessário se trabalhar várias áreas do conhecimento, pesquisadores das áreas de educação e psicomotricidade propõe conceitos, procedimentos e atitudes para serem trabalhados. Segue abaixo algumas propostas:

– Desenvolvimento do potencial da criança por meio do domínio das habilidades específicas do ser humano.

– Respeito ao nível de maturidade, expectativas e necessidades da criança.

– Trabalhos diversificados com habilidades motoras especificam do ser humano, base de outros conhecimentos e experiências posteriores.

– Desenvolvimento de atividades centradas no prazer e no seu caráter lúdico.

– Aumento gradativo de complexidade da interação social na execução das diferentes atividades motoras.

– Utilização de atividades da cultura corporal que fazem parte do cotidiano da criança (jogos, danças, brincadeiras) visando à socialização.

– Desenvolvimento de atividades motoras até atingir um nível maduro de execução.

– Refinamento progressivo das habilidades motoras, especificamente humanas.

– Aumento da interação social, produto de um progressivo nível de complexidade da tarefa motora.

-Valorização de atitudes e princípios ligados ao convívio social e ético e ao desenvolvimento de condições de bem estar físico e mental.

 

297DRYELLE MARA RIBEIRO
Especializad
a Em Fisiologia Do Exercício – Prescrição De Exercícios Na Ugf-Rj
Licenciada Em Educação Física Pela Esc/Esefic-Sp
Treinamento F
uncional Fase 1,2,3 E 4 Pelo Core 360

 

 

 

 

2

dezembro

2013

Corpo em Movimento – Cérebro em Desenvolvimento

Categorias:

Dos 7 aos 12 anos também se deve brincar

Quando as crianças atingem os 7 anos de idade as brincadeiras ao ar livre começam a ser menos frequentes, e pular corda, correr e brincar em parques são substituídos por tablets, computadores e videogames.

Mas será que deveria ser assim?

Pesquisas relacionadas com atividades motoras e desenvolvimento cerebral afirmam que não, não deveria ser assim. A criança pode ter acesso a tecnologia sim, porém brincadeiras e jogos devem continuar a serem estimulados tanto na escola quanto fora dela.

Nesta etapa jogos com regras devem ser desenvolvidos, a criança tem que saber como e o porquê da atividade que esta sendo realizada. Estes jogos são característicos do período das operações concretas e formais, e sua assimilação se dá por meio da reciprocidade, capacidade de colocar-se no lugar do outro de forma afetiva, tendo como características:

– Regularidade: sempre do mesmo jeito.

– Convenções: as regras são combinadas entre os jogadores.

– Coletividade: todas estão na mesma condição.

– Competitividade: desafio com relação ao outro.

– Prazer funcional: prazer de estar jogando.

hand escola - netAlém de vários benefícios na aprendizagem escolar, continuar brincando, segundo pesquisas a criança pode gostar de trabalhar, porque brincando aprende a estar em atividade e descobre o prazer de estar ocupado, de estar operando, engajando-se por livre e espontânea vontade.

Portanto não deixe seu filho parar de brincar, ajude-o a encontrar novos jogos e brincadeiras que lhe agrade, iniciação em jogos esportivos podem ser uma ótima escolha.

 

297DRYELLE MARA RIBEIRO
Especializada Em Fisiologia Do Exercício – Prescrição De Exercícios Na Ugf-Rj
Licenciada Em Educação Física Pela Esc/Esefic-Sp

19

novembro

2013

Corpo em Movimento – Cérebro em Desenvolvimento

Categorias:

Brincar é coisa séria

As crianças no seu cotidiano tem que encarar um grande trabalho, que é brincar.  Algumas vezes de forma livre, mas na maioria delas a criança tem que ser supervisionada e orientada.

Uma rotina de brincadeiras bem feitas em casa e bem planejadas pelas escolas pode contribuir significativamente na aprendizagem de uma criança em toda sua vida.

Atualmente as crianças têm vindo cada vez mais novas para as escolas, e é muitas vezes nelas que as crianças começam a desenvolver habilidades que serão fundamentais para o seu aprendizado. Como são muito novas, as crianças são egocêntricas, fazem associação de fatos que ocorrem com frequência num mesmo período, acham que uma determinada ação sempre terá a mesma consequência. É brincando no seu dia-a-dia que elas começam a compreender melhor suas ações e seus sentimentos.

m+úe montando quebra cabe+ºaA criança quando brinca, inicialmente apenas imita o que vê, ou representa o que já viu, para depois começar a refletir sobre suas ações, mas isto demora algum tempo pra acontecer, pois é a partir dos 6 anos que ela adquire o pensamento lógico. Nesta fase de imitações é extremamente importante o uso de brincadeiras de faz-de-conta tanto em casa quanto na escola, estas brincadeiras possibilitam o entendimento do mundo que a cerca, ela começa a reproduzir em seu meio social o que os personagens fazem nas histórias.

Portanto é sempre bom estar de olho no que as crianças estão fazendo em suas brincadeiras, pois o primeiro passo para uma boa orientação é a observação.

 

297DRYELLE MARA RIBEIRO
Especializada Em Fisiologia Do Exercício – Prescrição De Exercícios Na Ugf-Rj
Licenciada Em Educação Física Pela Esc/Esefic-Sp

13

novembro

2013

Corpo em Movimento – Cérebro em Desenvolvimento

Categorias:

Discriminação Auditiva 

Entre várias habilidades psicomotoras importantíssimas para o processo de aprendizagem a discriminação auditiva é muito relevante, é capacidade ou a habilidade de perceber a diferença, muitas vezes sutil, existente entre dois ou mais estímulos sonoros. Quando a criança tem uma boa discriminação auditiva, apresenta a habilidade de diferenciar letras com sons parecidos como p por b, c por g, s por z, etc, favorecendo o processo de leitura e escrita.

A memória auditiva é também muito importante, pois favorece a retenção e recordação das palavras captadas auditivamente. Muitas crianças têm dificuldades de discriminação auditiva porque se esquecem do som que as letras representam.

cabra cegaPara se desenvolver bem a discriminação auditiva segue abaixo algumas dicas:

·                   Criar sons fracos e fortes com um mesmo instrumento (palmas, pés, latas, etc.);

·                   Descobrir entre dois sons qual é o mais forte;

·                   Executar determinados comandos, obedecendo a um som forte ou fraco;

·                   Brincar de cobra-cega;

·                   Perceber os sons produzidos naturalmente pelo próprio corpo parado e em movimento (respiração, batimentos cardíacos);

·                   Identificar e imitar sons e ruídos produzidos por animais e fenômenos da natureza;

·                   Ouvir e cantar músicas.

Como acabamos de ver, existem várias atividades simples que podemos fazer em qualquer lugar com nossas crianças que podem contribuir muito para a melhor aprendizagem delas.

297DRYELLE MARA RIBEIRO
Especializada Em Fisiologia Do Exercício – Prescrição De Exercícios Na Ugf-Rj
Licenciada Em Educação Física Pela Esc/Esefic-Sp
Treinamento Funcional Fase 1,2,3 E 4 Pelo Core 360

5

novembro

2013

Corpo em Movimento – Cérebro em Desenvolvimento

Categorias:

Discriminação Visual

A capacidade de ver e diferenciar duas figuras ou dois objetos quando suas diferenças são mínimas, de perceber e processar de forma adequada símbolos em sequências levemente, denomina-se discriminação visual.

Como todas as demais habilidades psicomotoras a discriminação visual tem que ser bem desenvolvida, caso isto não ocorra a criança pode apresentar confusão de letras simétricas como d e b, n e u, p e q,  na escrita de letras que possuam configurações semelhantes e se diferem em pequenos detalhes como o e e, f e t, h e b, e ela também pode se atrapalhar na escrita de palavras porque não percebe os detalhes internos da palavra como preto em vez de prato.

discriminação visualPara desenvolver bem a habilidade da discriminação visual é interessante intensificar algumas atividades, como jogo de memória com letras e sílabas, dominó de letras e gravuras, quebra-cabeças de letras e palavras, sequência de fatos, leitura de histórias, escritas espontâneas de palavras e reescritas de histórias.

Como a discriminação visual é de suma importância para alfabetização da criança, realize sempre as tarefas, pesquisas e jogos com o seu filho e de acordo com a evolução dele estimule novas atividades em casa para que o mesmo continue sempre progredindo.

 

Referências bibliográficas: OLIVEIRA, G. C. Psicomotricidade: Educação e Reeducação num Enfoque Psicopedagógico. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

 

297DRYELLE MARA RIBEIRO
Especializada Em Fisiologia Do Exercício – Prescrição De Exercícios Na Ugf-Rj
Licenciada Em Educação Física Pela Esc/Esefic-Sp
Treinamento Funcional Fase 1,2,3 E 4 Pelo Core 360